13 de jun de 2012

Nov@to na Faculdade de Letras da UFMG

Nov@to é insPIRADOR e de arrepiar até os esqueletos dos mais insensíveis à arte poética. Confira!


Faculdade de Letras recebe exposição de poesia da periferia de Belo Horizonte
quarta-feira, 13 de junho de 2012, às 5h55
A partir desta quarta-feira, 13, está aberta ao público, na biblioteca da Faculdade de Letras (Fale), no campus Pampulha, a exposição Poesia na periferia de BH, com poemas de Wanderson Nov@to, que às 20h participa de bate-papo com o publico no local.
Com curadoria da professora Vera Casa Nova e da estudante de Letras Márcia Nascimento, a exposição fica em cartaz até 22 de junho. As pesquisadoras selecionaram, para a exposição, um conjunto diversificado de textos escritos por Nov@to, reunidos em coletânea intitulada Pócalipsea: tragédia em vários atos.
No contato com o público, Nov@to vai lançar livros e falar da influência que a vivência na periferia exerce sobre sua produção literária. “O que veremos são poemas de alta densidade e crítica social”, afirma a poeta Vera Casa Nova, professora de literatura brasileira da Faculdade de Letras.
Segundo ela, Nov@to aborda, com valor poético, o problema das drogas e a sexualidade, entre outros temas. Casa Nova explica que a ideia da exposição nasceu após disciplina ministrada por ela sobre poesia na periferia.
A biblioteca da Faculdade de Letras da UFMG funciona de segunda a sexta, das 7h30 às 21h30. A visitação poderá ser feita durante o horário de funcionamento, e a entrada é gratuita.
O autor
Wanderson Nov@to nasceu em 1977, em Belo Horizonte. Traz em seus versos temas ligados aos problemas da periferia, a partir de um olhar que reúne arte e crítica social. “Meus poemas representam meu ponto de vista sobre a exclusão social, a questão racial e de classe, esse divisor que há dentro da sociedade, tanto em Belo Horizonte quanto em qualquer capital”, afirma o poeta.
Para o jornalista Marcos Fabrício Lopes da Silva, doutorando e mestre em Estudos Literários/Literatura Brasileira pela Fale, os erros de ortografia se apresentam nos textos de Nov@to como “acertos morrográficos (escrita do morro)”, resultantes de dois fenômenos - a construção de estilo literário próprio, disposto a “defender a maneira de ‘falar e escrever favelado’; e a denúncia do dispositivo excludente da linguagem formal, cujo ensino se fez inoperante nos aglomerados, impedindo que parte considerável da comunidade adquirisse a competência comunicativa exigida pela norma culta”.
Nov@to participou de publicações coletivas, entre elas o livro Prosa e Poesia no Morro, publicado em 2008 pela organização não governamental Favela é isso aí, e de eventos realizados em diversos espaços culturais de Minas Gerais. Em 2009, o autor foi convidado do projeto Terças Poéticas, sarau realizado semanalmente nos jardins internos do Palácio das Artes, em Belo Horizonte.
Fonte: http://www.ufmg.br/online/arquivos/024227.shtml

6 de jun de 2012

ARTISTAS SE UNEM PARA 'COMBATER' PICHAÇÕES



ARTISTAS SE UNEM  PARA 'COMBATER' PICHAÇÕES

Idealizado por Diovani Mendonça, o projeto Poesia e Grafite irá levar as respectivas artes a jovens de cinco bairros de Esmeraldas. A intenção é conscientizar crianças e adolescentes para a não pichação de espaços públicos e privados

Amanhã, quinta-feira (07 de junho), o projeto Poesia e Grafite será apresentado a jovens de cinco bairros da cidade de Esmeraldas, na Grande BH. A iniciativa tem como proposta envolver crianças e adolescentes com as respectivas artes, além de contribuir com a preservação dos pontos de ônibus da rodovia LMG-808 que liga Esmeraldas a Contagem. Idealizado por Diovani Mendonça, a ideia surgiu após pichações feitas em seu próprio estabelecimento. Contudo, ao invés de reprimir, o artista optou pela conscientização por meio da poesia e do grafite. 

Para tal, convidou o grafiteiro Guilherme Araújo. Mais conhecido como "Maizena", o grafiteiro destaca a importância de ações como esta. “O grafite exerce um papel social à medida que resgata jovens que vivem em áreas de riscos, e que antes eram pichadores. Para se ter ideia da força da arte, quando chegamos com o grafite em lugares onde há um maior índice de violência, a meninada se interessa logo. E, de certa forma, mostramos ao mundo, por meio da arte, a maneira que pensamos ao colaborar com a estética urbana, diferente das pichações", relata.

Autor de várias outras iniciativas ligadas à poesia, Diovani fala que, “aos poucos e com a parceria de artistas como “Maizena”, a intenção é também levar a poesia aos pontos de ônibus e a outros espaços públicos e privados da região que se encontram pichados. Além, é claro, de procurar envolver toda a comunidade para outras ações do gênero”, enfatiza. Na ocasião, também será feito um mutirão de limpeza, revitalização de espaços e fixação de placas educativas.

Sobre o grafite: Desde o império romano, o nome grafite (também conhecido como arte urbana) é dado às inscrições feitas em paredes. O grafite moderno surgiu no final da década de 60, paralelo à cultura Hip Hop, quando jovens norte-americanos restabeleceram esta forma de arte com spray, criando um novo estilo, colorido e muito mais rico no conteúdo das mensagens que eram passadas.

PROGRAMAÇÃO
Data: quinta-feira, 07 de junho (feriado de Corpus Christi)
Horário: 9h às 13h
Local: Rodovia LMG 808 – Km 15, na entrada dos condomínios, Córrego da Cachoeira, Recanto da Serra e Turmalina. 

IMPORTANTE: os interessados em participar das oficinas devem comparecer acompanhados dos pais ou responsáveis. No local serão oferecidas AUTORIZAÇÕES que deverão ser assinadas pelos mesmos.