19 de ago de 2010

TROVAS - José Ouverney

Na roça não tive estudo
mas fiz – calejando as mãos –
dessa escassez de canudo
esta fartura de grãos.
...
Pendendo no quarto a rama
a roseira parecia
deslumbrada ao ver, na cama,
outra rosa... que dormia!
...
Já não sou assim tão moço
mas vendo-a, tão moça assim
eu sinto o mesmo alvoroço
do moço que havia em mim.
...
Com seu jeitinho de santa,
no mesmo olhar ela oferta
a timidez que me encanta
e a audácia que desconcerta!
...
Quem vem lá? Pelo alarido
ela sabe, rapidinho:
se o cão latir, é o marido:
se fizer festa... é o vizinho!
...
Zé desmaiou no boteco...
Foi maldade (há quem suspeite):
acharam no seu caneco
1ml. de... LEITE!
...
Quando a base é a educação
na visão de um governante,
não há no mundo nação
que não cresça e se agigante!
...
José Ouverney – SP
Trovador homenageado na 2ª edição do projeto Pão e Poesia