19 de out de 2007

Everton Rodrigo (1981)

O Everton é parceiro antigo de música e de Poesia. Uma cara simples, sossegadão, de fala mansa. Amigo daqueles pra toda a vida. Um sonhador com singular sensibilidade poética. Transeunte atento, sempre a desdobrar palavras de esmero da algibeira. Sabe como ninguém revelar imagens de encanto de situações corriqueiras e de outras nem tanto assim, delas abstraindo múltiplas reflexões, lições maiores.
Foram seus versos que em mim fizeram despertar a curiosidade sobre o cotidiano citadino, sobre a vida que se esconde por detrás da monotonia, como um sol toldado por prédios.
O Everton é daqueles poetas que têm inata a capacidade de assimilar as mudanças de seu tempo – antenado que é – traduzindo-as em olhares abrangentes, redescobrindo em beleza e com irresistível arte a crueza do ramerrão.
Sua poética impregna no imaginário de quem o lê, suscitando outros prismas, outras possibilidades de encarar a mesmice, emergindo-nos da superficialidade, das rasas percepções de mundo.
Um outro seu traço marcante é sem dúvida a simplicidade de seu estilo, característica que em nada prejudica a pujança, profundidade e extensão de sua mensagem.
Teremos aqui o privilégio de ler em primeira mão um de seus mais recentes poemas, o “lotes lindeiros”, fornecido pelo próprio poeta, especialmente, para a Árvore dos Poemas, além de outros escritos de minha estimação.
Pretendi compilar momentos diversos de sua obra para propiciar, sem refugir à proposta deste blog, um panorama o mais generoso possível de suas criações literárias, embora, confesso, tenha sido muito difícil a escolha, diante de tantas outras preciosidades que gostaria de compartilhar. É claro que muitas ficaram de fora, mesmo porque não é nossa intenção esgotar a descoberta dos poetas aqui lembrados. Na verdade, na verdade, vontade não faltou de colar aqui todos os poemas dele, mas...
Em suma, aos que acreditam na Poesia e no Amor como horizontes possíveis, eis que o convite está feito!
Pois bem, vamos ao que interessa, que o resto é papo furado:


__________


apenas indo (carta a um amigo)

e nós, como estamos?
apenas vivendo
incontentes com o salário
jogando baralho
aproveitando os prazeres
momentâneos mas reais
correndo pra lá e para cá
apressados como sempre
sem saber onde chegar
gastando dinheiro
gritando na mesa do bar
trabalhando, desconhecendo
para quem o dinheiro vai
almoçando com a família
num domingo qualquer
assistindo o futebol
dividindo o sofá
torcendo como se o mundo fosse acabar
sofrendo coa bola na trave
até o jogo terminar
acordar e perguntar de novo
e nós, como estamos?
apenas indo...
nada mais nos emociona não
aproveitando os prazeres
de acordo com o que
a vida nos proporciona
viajando quando há tempo
levando os filhos pra passear
traçando um objetivo
realizando sempre menos
do que queria realizar
procurando alguém pra idolatrar
é assim que nós estamos
e você, como é que está?


__________


Vago

Vago pelo vago
Venda preta
Em olhos fechados
Silêncio absoluto
Tinta sobre a tela
Nada sobre o nada


__________


A musa

A musa me salta aos olhos
Agora o espelho sou eu
Enfim... Narciso se acha feio
! E o tempo pára !
( .................................... )
Para vê-la passar
Como um toque de Midas
Ela sofistica o ambiente
E somos reles mortais
É como se precisássemos de sua beleza
É como se fosse feita, esculpida
Vai como sempre chega
Um sonho que se repete
Realiza por alguns minutos
Meus mais simples desejos
Ela é mesmo assim
Ela é mesmo linda


__________


Enquanto a vida não vem

É mais uma manhã
Acordo já pensando na hora de dormir
Mais uma vez estou atrasado
¿ Atrasado pra que mesmo ?
No ônibus em meio ao rotineiro tumulto
Observo os rostos cansados das pessoas
Tento adivinhar seus futuros e o que pensam
Achar um significado e sentido para a vida delas
Assim como tento achar um para a minha
Percebo que já não prevejo mais o futuro
Como quando era criança

A cidade é a mesma
Dos velhos temporais
Do trânsito parado e chato
Da poluição visual
Das pessoas apressadas
Em busca de sabe-se lá o quê...
Me emociono com o mendigo que sem abrigo
Procura comida na lata de lixo
! Que mentira ! Não me emociono mais
Também estou muito apressado pra isso

Sigo sonolento e entediado
Até a hora que a vejo
Ai penso que consegui achar
Um significado e sentido
Pra minha vida

A noite chego em casa
Deito já pensando na hora de acordar
E na hora de dormir do outro dia
O corpo pede descanso
Mas a mente ainda está a mil por hora
A pensar no dia que passou
E no mendigo que procurava comida no lixo
! Que mentira ! estou muito cansado pra isso


__________


Letícia

\....se eras tão doce
se eras delícia
pobre de mim
quanta imperícia
só sabia seu nome
se chamava Letícia!


__________


um raro prazer

uma vida dupla
um duplo sentido
um sentimento mútuo
um monte de amigos
uma palavra sincera
um vocabulário fugaz
um ponto perto do zero
um pouco demais
uma história diluída
uma água pura
uma bala perdida
uma verdade dura
um sonho de consumo
um consumo fácil
um pesadelo enquanto durmo
um pesadelo acordado
uma eternidade
uma declaração eterna
uma realidade
uma vida moderna
um modernismo atual
uma atualidade pobre
uma insanidade mental
uma decisão nobre
um prazer momentâneo
um raro prazer
uma decepção que passamos
uma decepção sem ver
uma noite sem dormir


__________


Lotes lindeiros

Nos lotes lindeiros da cidade
A necessidade de ter e ser...
Nos idos tempos
A tua idade, a fragilidade.
O medo de perecer
No corpo a cabeça pensa
E pesa o fato
De procurar se achar
Sem se perder


__________


Luta incansável

Como louco,
....................correrei por todos os lados
....................cobrirei espaços com mensagens
..................................................[mal acabadas
....................procurei em anúncios classificados
....................nesses dias tão marcados
....................pela luta incansável por você.

Depois, sóbrio,
....................lembrarei que não vou mais te achar
....................a não ser no fundo de minha memória
....................em cartas, dentro de uma cova
....................ou em minha corrida com os anjos
..........................................................[para o céu.


__________

Fotolog do poeta: olhares sobre a cidade
O Everton também é letrista. Mergulhe em uma de nossas parcerias: mar de primavera

3 comentários:

diovvani mendonça disse...

Camarada Octávio, seu faro poético é de fato, um raro prazer. Então este, que usa óculos escuros (feito o Raul?), é o Everton, seu parceiro em MAR DE PRIMAVERA!? Muito bom, vê-lo aqui sob a sombra de nossa Árvore dos Poemas. Gostei especialmente de "apenas indo (carta a um amigo)".

~^^ ~Abraço~^^ ~

Pedro Pan disse...

, gostei da poética do everton. destaco o "letícia". creio que você já havia comentado sobre everton comigo.
, abraços meus.

Múcio L Góes disse...

Ah Octávio, querido irmão... lembrei-me agora do Presente que me mandou um dia, e que guardo com carinho. Deste-me outro, agora. Brigado. :)

E Letícia me caiu o queixo.

Que Perícia.

[]´s aos dois.